eu chutaria um gorila

achei um texto interessante que eu escrevi no ano passado e não publiquei. eu ri lendo.

“eu pensava nisso enquanto ouvia uma fornecedora hoje. ela me explicava detalhes a respeito da vida das flores e do nível de imponência de cada uma, como se eu fosse leiga E debilóide. eu olhava pra boca dela se mexendo enquanto ela tagarelava e em vez de prestar atenção na ficha técnica da tulipa, eu reparava que o dente dela era cinza perto da gengiva. parecia que eles estavam encaixados, como uma dentura que já está vencendo e começa a deixar escapar partes da mecânica. que tipo de pessoa tem os dentes cinzas? como o dente de alguém fica cinza?

e a sala estava com um cheiro estranho. enquanto ela falava, eu olhava para todos os lados, discretamente, aproveitando as vezes em que ela divagava (e olhava para o teto) para tentar encontrar o foco do fedor. era um cheiro de pombal, mas com menos potência. talvez ela tivesse um animal de estimação. pelo cheiro não era um cachorro, definitivamente não era um cachorro.

a conversa terminou e eu não consegui descobrir.

eu chutaria que era um gorila, sério.

ela encerrou dizendo como todos os casamentos pra ela eram tratados como se fossem o dela. e como a equipe dela era sempre orientada dessa forma, a tratar as noivas como se fossem suas irmãs.

meu Deus, era oito da manhã quando eu acordei pela terceira vez naquele dia e eu estava caindo de sono.

na hora de fazer os cálculos para o orçamento, mais uma vez, aquele valor totalmente fora da casinha. eu queria viver num mundo em que coisas de casamento custam 100 reais. agradeci e fui embora.

cara, já era meio-dia.

bom, eu estou no auge da organização do meu casamento. e, com sinceridade, estou encontrando dificuldades pra achar diversão, apesar de ser uma etapa de descobertas. descobri, por exemplo, que de jeito nenhum posso fazer uma mesa de buffet sem um arranjo de flores. sei lá, pra mim ninguém vê arranjo em mesa de buffet. a atenção dos convidados está toda no mignon ao molho mostarda, não está? não tem como as flores competirem com um monte de mignon que você sabe que vai comer de graça.

também descobri que é uma espécie de ato infracional não querer mesa de docinho nem de bolo. quando eu digo que não quero, os fornecedores me olham como se eu fosse uma daquelas mulheres imbecis, metidas a serem pioneiras, arrojadas e a frente do seu tempo. o escândalo que eu causo é absurdo, como se, na verdade, eu tivesse dito que sou empresária, dona de uma clínica de aborto.

eu não sou arrojada. realmente não sou arrojada. eu só não quero que a cena do ataque ao docinho se repita no meu casamento. aquela cena de depois do jantar, em que parece que alguém tocou uma sirene e as pessoas voam para a mesa de docinhos como se o mundo estivesse no pós-guerra e aquela mesa fosse tudo o que os convidados têm para comer pelo resto de suas vidas. saem carregando os docinhos como se tivessem segurando um nenê num tiroteio, com os olhos esbugalhados, suando, com medo de que no caminho até o seu lugar na festa algo aconteça para impedi-los de comer tudo aquilo sozinhos (tipo aparecer alguém pedindo um dois-amores). aí quando todas as pessoas se afastam, você vê que até a decoração da mesa não está mais lá. eles comeram tudo.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

4 respostas para eu chutaria um gorila

  1. Edson disse:

    Gaby! quanto tempo, tudo bem com você? espero que sim! =)
    então você começou um novo blog! eu visitando o xucrutinho e sem ter novidades suas…! ok, eu poderia ter entrado em contato por email, fato! desculpe pela ausência!
    parabéns pelo casamento!!! espero que tenha saído como você queria! agora é aproveitar a vida ao lado de seu ‘eterno namorado’! ;-)
    sobre o texto deste post, eu já tinha lido lá no xucrutinho! e se você diz que era um gorila, eu estou contigo! rs
    beijos!
    Edson

  2. JOPZ disse:

    Muito divertido o texto.

    JOPZ

  3. Amanda M! disse:

    Cara…. eu ataco as mesas de docinho. Quando eu sei que a mesa de docinho tá liberada eu corro como se alguém gritasse “sapatos de grááááça”. Os seus estavam muito bons por sinal.

  4. Heli disse:

    Eu, definitivamente, não quero que o ataque aos docinhos aconteça no meu casamento tbm!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s