eu sentei num caroço de abacate

de repente, eu comecei a reparar no tempo. em como ele me engole se eu não caminhar atenta. atenta às atividades que comem minhas horas. ao que eu escolho para me entreter. aos motivos que me levam a procurar distração. que tipo de conversa me envolve e o quanto eu sou capaz de abrir mão de um princípio só para não causar constragimento a quem eu ouço ao reprovar sua piada maliciosa.

meu Deus, como eu torro tempo precioso com groselha. me dopo com conforto e com comida.

eu não quero conforto. eu quero um cérebro.

deixa meu caroço de abacate aí. que eu permaneça sentada sobre ele para todo o sempre.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s